Dor da Alma!

image

“Ainda bem que tocou, essa música suave, e eu posso dançar com você, como no passado!”
Passado é um tempo interessante, é o tempo que guarda todos os nossos prazeres , alegrias, tristezas, nossos registros e memórias mais remotas, aquelas que já estão quase apagadas, de tudo o que já fomos e vivemos.
Passar noites mal dormidas, driblando lembranças que abrem feridas, lamentando os sonhos interrompidos, sofrendo por ausências. Isso é saudade!
Sentimento que consome, que corrói e dói. Uma dor sem pudor e nem estado físico. É a dor da alma.
Mas a pior saudade sente, quem não tem do que sentir ou diz não sentir; porque com certeza nunca amou.
Saudade! Dizem que a palavra foi criada, na época dos descobrimentos, no Brasil Colônia, e explica a mistura de solidão e melancolia, sentida pelos portugueses. Aquela mágoa surgida pela ausência, que desencadeia nostalgia.
A saudade, pode até não ter tradução, mas tem muitos derivados…
É impressionante como até trilha sonora criamos. Talvez involuntariamente, nosso cérebro selecione as musicas e as deixe ali, guardadas em nosso arquivo de memórias, para em um momento futuro quando as escutarmos, sentirmos por momentos, toda aquela saudade e melancolia. Aquele desejo de só por mais uma vez, reviver um certo amor, dançar de rosto colado, dar o primeiro beijo ou trazer de volta, aqueles que jamais voltarão.
Seria o mundo mais que perfeito se, tudo o que provoca saudade, pudesse ter uma segunda chance.
O poder desse sentimento é tão grande, que nos faz senti-lo, em fotos, músicas e até em cheiros. O cheiro do pão saindo ali, quentinho, me lembra minha avó e suas mesas de café da manhã. Um certo perfume que meu pai usava, me contorce o peito de tanta saudade. O nosso pequeno nariz, funciona como uma máquina do tempo, que nos permite recordar o passado, e nos levar de volta a situações importantes.
Quando sentimos um cheiro pela primeira vez, ele fica armazenado eternamente na nossa memória olfativa. É é por causa disso, que quando sentimos um bom aroma, imediatamente recordamos uma boa sensação, como se estivéssemos vivendo a mesma situação emocional, vivida na cena onde o primeiro registro olfativo foi feito.
E quem de nós, não guardou aquelas fotos antigas, e que vez em quando não se pega ali, olhando e muitas vezes chorando de saudade?
As saudades são lentas e silenciosas, e nos levam a viagens por entre sombrias mágoas, lampejos em felicidades vagas e nos encandeia por medo. Medo de que elas nunca acabem. E acho que saudade nunca acaba, apenas adormece.
Existe um certo prazer em sentir saudade, porque pessoas e momentos ruins, são esquecidos e não causam esse sentimento. A saudade é única e exclusivamente ligada a bons momentos, sentimentos verdadeiros e a pessoas que amamos incondicionalmente. Essa dor, é dor que não mata, só nos atormenta.
Quando fechamos os olhos e nos remetemos às brincadeiras da infância, aos bailinhos nas garagens, com um lampada enrolada em celofane roxo, e pôsteres dos Beatles nas paredes, ou ainda à aquela noite do nosso primeiro amor, é muito bom, isso ninguém pode negar. É saudade, e das boas! O sentimento mais apertado e gostoso que podemos sentir.
Será que podemos sentir saudades do que nunca aconteceu? Sinto essa saudade, por desejos, por sonhos criados, por felicidades idealizadas, por lugares onde ainda não fui. Tenho esperança que no futuro, essa saudade seja real.
Que a saudade, continue sendo a medida mais correta, para sabermos o quanto gostamos de alguém, o quanto valeu cada ato, cada pensamento, cada momento…cada saudade!
AF

1 Reply

  • gina

    Como vivemos de e com saudade! Não gosto de falar pois tenho saudade de coisas, momentos ou pessoas que já não me importam mais, contudo SAUDADE é sentimento de gente boa. Quem é do mal não conhece tal sentimento. GOSTEI DO QUE ESCREVEU.

Os Comentários estão Desativados