EU X 57

image

É quando você se flagra inúmeras vezes parada e divagando sobre o que lhe resta de tempo, que vem o desejo de acelerar freneticamente. Fazer só o que bem lhe entender, buscar a precisão nas decisões e acertar na parceria. Não há mais tempo pra recomeçar muitas histórias, gastar tanta sola de sapato indo de cá pra lá e de lá pra cá, até dar aquelas enormes bolhas nos pés e nem mesmo planejar nada. É a hora do pegar ou largar. Vacilou e…como diria a Georgina: “Perdeu-se o momento”. Eu sou da geração criada para casar, mas contrariando a todas as expectativas, optei pela independência, mesmo quando estava acompanhada dos ditos…maridos. Não dava a mínima se eles arriscassem a queimar o arroz, desde que não se incomodassem com a minha paixão pelas duas rodas, velocidade, saltos altíssimos e roupas…digamos exóticas. Nunca permiti que fizessem do meu mundo um Leste Europeu, nunca lavei cuecas e nem fiz questão de ganhar uma batedeira de bolo de aniversário, apesar de só receber nota dez para o meu mousse de chocolate. Não deixei que corpos sarados se sobrepusessem à intelectualidade, mas perdi muitos deles para os 40 toques seguidos, de mensagens e e.mails que caíam simultaneamente no meu celular, e para aquelas reuniões intermináveis que tantas vezes quase entravam o dia seguinte. Faz pouco tempo que descobri que água sanitária e QBOA são a mesma coisa, e isso não é nada surpreendente quando se trata de quem ama um bom e encorpado vinho, UFC e o Flamengo. É imensa a discrepância dos sonhos da minha mãe e a mulher livre que eu me tornei. E ai é que a porca torce o rabo…a idade avançou, e com ela surge um desejo enorme de desacelerar, de deitar em um colo literalmente pedindo…colo. De retornar aos mais incríveis lugares com metade da bagagem anterior, de olhar vitrines e descobrir que a minha executiva compulsividade curou.
É incrível como uma troca de intimidardes, um toque, uma carícia, é tão mais sensual, sem perder o grau de prazer do sexo dos vinte anos. E sem contar o tempo, projeto, fantasio e desejo. Deixo que o amanhã se una ao dia de ontem, sei que o amanhã é a minha essência, e que minhas rugas serão incontestáveis porque são a pura alegria da transcendência!
Quero ainda vingar muitos cimos, e com serenidade e sapiência rolar num mar de nuvens sem tormenta.
AF

2 Replies

  • joão
    Responder

    Muito bom minha cunhada.Bacana saber que em momentos de intensa rivalidade possa haver alegrias conjuntas,principalmente em uma guerra. Grande ensinamento para os dias atuais .Parabéns

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *