MÁQUINA DO TEMPO

image

“Cuidado!! dizem que lá no céu tem moto e você pode estar escalada para o encontro celestial de amanhã”
Esse argumento não convence uma apaixonada por duas rodas. Um bordejo à californiana é como abrir asas e voar, voar, deixando o vento invadir sua alma. O ronco dos motores aceleram as pulsações, o coração fica ritimado, cadenciado, é o contato intimo mais prolongado e prazeroso. A culpa é da danada da endorfina, que encharca o nosso cérebro com essa morfina natural, tornando um start, melhor do que sorvete, mousse de chocolate ou pirulito. Dá o maior barato! Vicia.
Eu sei que é difícil traduzir esse prazer, pra quem nunca pilotou uma máquina com um monte de cavalos te jogando para trás, e a roda da frente saindo do chão, é tão difícil quanto tentar explicar a sensação de um orgasmo, pra quem nunca sentiu um.
Velocidade, superação, concentração extrema. A cada acelerada nas saídas de curva, sentir aquela derrapadinha traseira, e puxar uma imensa tropa de volta pro seu eixo, pra o seu corpo.
Sucessivas experiências emocionais e sensoriais, é o que vivemos com cada novo visual, e em frações de segundos…são apenas flashes que como mágica registram os menores detalhes, para sempre.
Emoções, riscos….nossos corpos, nossas carenagens.
Uma moto não é dirigida, muito menos conduzida. Nós a pilotamos, trocamos de direção instantaneamente, passamos em espaços reduzidíssimos, freiamos e aceleramos em um pequeno espaço de tempo. Haja habilidade e reflexo.
Reflexo para mapear todo o percurso que vamos percorrer nos próximos segundos,
supor num instante, tudo que poderá acontecer nos próximos segundos, planejar e executar uma ação para aquilo o que pode acontecer…em segundos.
Os anos passam, e não são contados, quando conhecemos o equilibrio, quando aceleramos sempre olhando em frente, quando não importa se cairmos, mas sim o fato de depois de cada queda, nós podermos nos levantar e sentir novamente a indescritível liberdade. A vida na mais pura essência, amante, aventureira.
É estar sempre na melhor idade…curtir estrelas iluminando o céu e o caminho, gostar da chuva e reconhecer Deus, na mais alta definição de um pôr do sol.
Nunca será perfeito ter dinheiro, saúde e amor, pra quem tem o espírito livre, que não se aprisiona e quer sempre o extremo. Essa conversa de que se eu pudesse, teria amado mais, sorrido mais, andado descalço na primavera, comido mais lentilha…é para os fracos. A vida é aqui e agora. Sinta o vento. Colida com insetos, aprecie as agulhadas de uma chuva de verão, enxergue bruxas nas madrugadas, colecione mil histórias pra contar para os netos.
Não seja egoísta e imprudente desperdiçando sua alegria e vida, porque não existe tempo, idade e nem hora pra começar. Li certa vez que “Uma moto é, na verdade, uma máquina do tempo disfarçada.” Creio muito.
Cada qual haverá sempre de encontrar a sua receita de felicidade. Sem arrogância nenhuma mas…é um verdadeiro estado de euforia interior, entusiasmo e vibração, com uma espetacular sinfonia do ronco dos seus motores como bonificação à aquele monte de aço soldado entre duas rodas.
Bom mesmo é ver as cores se fundindo, o pontilhado ficando contínuo, caminhos se estreitando, nossos corações batendo forte. E tudo parar…pra felicidade nos alcançar.
AF

image

1 Reply

  • Thomas Jentsch
    Responder

    Liebe Mey.
    Du sprichst allen Motorradfahrer aus dem Herzen.
    In jedem Land der Weld suchen die Motorradfahrer die Freiheit.
    Aber immer schön vorsichtig fahren, wir wollen noch viel von die hier lesen.
    TJ

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *